terça-feira, 31 de janeiro de 2012

CONTA BANCÁRIA PRONTA PARA DEPÓSITO.

Atenção, leitores!

Boa parte de nossas lutas são discutidas aqui no blog pelo fato de não podermos debater no mesmo nível com superiores hierárquicos todas as coisas relativas ao Corpo de Bombeiros ou Polícia Militar de Sergipe.

O blog tornou-se, então, uma ferramenta democrática de discussões que jamais houve na história das corporações.

É através do blog que montamos nossa "revolução silenciosa" e criamos nosso próprio mundo onde as sugestões e críticas são pautadas em tom de igualdade.

A credibilidade do blog é tamanha que há militares estaduais que só acreditam nas fofocas de quartel (o famoso BS = boletim de soldado) quando as mesmas são publicadas aqui com documentação comprobatória.

São inúmeras denúncias encaminhadas diariamente e sempre pautamos uma pré-investigação antes de lançarmos para conhecimento do grupo.

Já realizamos aqui, no nosso espaço de debates, três campanhas para ajudar militares amigos em dificuldades. Uma delas foi para ajudar a Soldado Joseane - demitida da PMSE, outro foi o Cap Henrique - cujo filho está em situação delicada de saúde e o Cap Augusto - vítima de acidente de trânsito quando se deslocava para o trabalho.

Não sabemos ao certo quanto foi arrecadado de forma voluntária para ajudar estes companheiros. O que temos a certeza é a de que quem contribuíu agiu de forma humana e voluntária. Seja quem for o militar que recebeu os nossos depósitos, eles não tomaram conhecimento de quem foram as pessoas que as ajudaram.

Há duas postagens atrás sugerimos - aos militares processados nos diversos conselhos de justificação e de disciplina recentemente instaurados para excluir da corporação companheiros que estão lutando pela dignidade da família militar sergipana - que abrissem um conta bancária para receberem recursos para a contratação de um escritório de advocacia para se dedicar de forma especial aos processos dos mesmos.

Caso estes companheiros sejam realmente excluídos - e é isso que o governo quer - ficarão desempregados e suas famílias desamparadas.

Sinceramente, é isso que você, companheiro bombeiro ou policial militar, quer?

Pois bem, a conta já foi aberta no banco Banese e os depósitos já poderão ser efetuados a partir de hoje.


Agência Banese 043 Conta 01/036397-5 Agência Barão de Maruim

Lembrem-se, somos NÓS, A TROPA, que estamos fazendo as mudanças que deveriam ser feitas por quem tem a obrigação de fazer.

VAMOS MOSTRAR, MAIS UMA VEZ, QUE PODEMOS FAZER A DIFERENÇA NESTE MOMENTO TÃO DIFÍCIL QUE ATINGE A TODA A FAMÍLIA MILITAR!

Não importa quanto você irá doar. Se for fazê-lo, faça de coração na certeza de que este recurso não é mais uma despesa que você terá, mas sim um investimento.

TODOS OS POLICIAIS MILITARES QUE ESTÃO SENDO PROCESSADOS FIRMARAM COMPROMISSO CONOSCO QUE FARÃO AS DEVIDAS PRESTAÇÕES DE CONTAS DAS RECEITAS E DESPESAS EFETUADAS!

FAÇA SUA PARTE E MOSTRE AOS PODEROSOS DO ESTADO DE SERGIPE QUE NÃO SOMOS CÃO SEM DONO E QUE SOMOS, SIM, A TROPA MAIS UNIDA DO BRASIL!

BOMBEIROS E POLICIAIS MILITARES UNIDOS FARÃO A DIFERENÇA!

QUE DEUS NOS AJUDE E OLHE POR NÓS!

Fonte: Blog do Capitão Mano

GOVERNADOR DECIDE NÃO PROCESSAR RITA LEE.

O episodio envolvendo a cantora Rita Lee, que esteve no ultimo final de semana em Sergipe, onde realizou o ultimo show em palco de sua carreira, e que acabou em uma delegacia, parece ter chegado ao fim. Pelo menos para o governador Marcelo Déda (PT).

O ultimo show da carreira da Rainha do Rock Rita Lee não foi exatamente com ela planejou, ou talvez tenha sido. A cantora Rita Lee foi detida na madrugada deste domingo (29) após realizar o último show da carreira na praia de Atalaia Nova, município de Barra dos Coqueiros, litoral norte de Sergipe. Ela não gostou da presença de policiais militares no evento Verão Sergipe e passou a desafiar e ofender os policiais.

Rita Lee mandou os PMs fumarem um “baseado” e se retirarem do show. A situação piorou quando a artista partiu para agressões verbais, chamando-os de “filhos da puta”, “cachorros” e outros palavrões. Ao final do show, a cantora foi presa e encaminhada à delegacia para prestar esclarecimentos.

O governador Marcelo Déda, que também estava no show, acompanhado de duas filhas, presenciou tudo e teve inclusive, parte importante para que o episódio não terminasse em tragédia. Déda ordenou que os PMs se afastassem do palco e deixassem a cantora encerrar o show.

Logo após o encerramento, Rita Lee foi encaminhada a uma delegacia de policia, onde foi registrado um Boletim de Ocorrência e em seguida liberada. Na delegacia, Rita esteve acompanhada da ex-senadora Heloisa Helena e de uma deputada estadual do Rio. Ainda na delegacia, a cantora teria sugerindo ao comandante do policiamento da capital, coronel Enison Aragão para “deixar o dito pelo não dito” e obteve como resposta do coronel que ia ficar apenas o “dito” por ela.

As primeiras informações eram de que o governo do estado já havia acionado a Procuradoria Geral do Estado, para verificar uma maneira de reaver o cachê pago a cantora. Isso só aconteceu mesmo no “auge da coisa”, quando todos estavam irritados, principalmente o governador.

Na manhã desta terça-feira (31), a assessoria de imprensa do governador envio nota à redação do FAXAJU, onde mostra que o governador no seu twitter coloca um ponto final no assunto. Déda diz que “o cachê foi pago e o show, mesmo com problemas, foi feito até o fim”.

Veja a nota:

Ainda sobre o show da Rita Lee: o cachê foi pago e o show, mesmo com problemas, foi feito até o fim. Contrato executado, pagamento feito. A hipótese de reaver o cachê foi aventada durante a confusão,na madrugada do domingo e logo arquivada.Show feito,cachê pago,caso encerrado. Bom, agora chega deste tema. Vida que segue...

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

RÁDIO COMÉRCIO EXCLUI DA SUA PROGRAMAÇÃO A CANTORA RITA LEE.

O episódio envolvendo a cantora Rita Lee e a Polícia Militar sergipana, em que a roqueira tentou desmoralizar a polícia e colocar o público contra a mesma, motivou a Rádio Comércio (radiocomercio.com.br) a proibir a veiculação de qualquer música desta cantora na programação musical da emissora, em respeito ao povo sergipano. A emissora de canal fechado é a 1ª e única em Sergipe a adotar esta medida como forma de solidariedade, respeito e carinho a Polícia Militar e o povo sergipano, desrespeitados pela cantora.

Solidariedade e respeito

O jornalista Paulo Sousa, diretor executivo da emissora aproveitou a ocasião para conclamar as demais emissoras, abertas e fechadas, a adotarem a mesma postura da Rádio Comércio. "Não dá pra aceitar a promoção musical em nossa emissora de uma cantora que veio pra Sergipe nos desmoralizar. O que ela fez contra a nossa brilhosa Polícia Militar é algo inadmissível, inaceitável e que deve receber o repúdio de toda a população, inclusive das emissoras de rádio de Sergipe. Eu sugiro que ao invés de tocar Rita Lee na programação que as emissoras promovam mais o artista sergipano que é tão bom quanto qualquer cantor de fora, e em alguns casos, bem superior, musicalmente falando", protestou.

Banda É o Tchan

A emissora web também proibiu a veiculação em sua programação da banda baiana É o Tchan. De acordo com Paulo Sousa, a medida surgiu a partir do momento em que um dos vocalistas da banda, o Compadre Washington, classificou Aracaju de quintal da Bahia, durante sua apresentação no Pré-Caju. "As autoridades sergipanas precisam impor respeito ao nosso estado. Essas pessoas que vem pra Sergipe querer nos humilhar precisam ser banidas das festas culturais promovidas pelo Governo do Estado e pelas prefeituras. Agindo assim, tenho certeza que "cantores" de fora vão repensar seu comportamento e reconhecer os nossos valores culturais, éticos e políticos", concluiu.

Fonte: Blog do jornalista Cláudio Nunes

RITA LEE E O PATRÃO QUE PAGOU O SEU CACHÊ.

Nada é tão ruim que não possa ficar pior! Pense nisso e relaxe,pois os grandes navegadores devem sua reputação as maiores tempestades!

Sou policial da nossa valorosa polícia militar de Sergipe, estava de folga em casa no dia e fiquei estarrecido com o acontecido. A Atalaia Nova não é paraíso das drogas, nem Amsterdã, muito menos Sodoma, queria ter ido ao que seria um brilhante show de Rita Lee, mas toda admiração que eu tinha por ela ficou só nas letras de suas músicas, ela deveria pedir desculpas como fez na canção desculpe o auê, mas, indignado, escrevi o texto que segue abaixo.

Quem defende o uso de um baseadinho, recebeu a educação de pais maconheiros e deve incentivar o uso de maconha e outros tipos de entorpecentes a seus filhos. Não me admira pseudo-intelectuais, maconheiros e cheiradores de pó, defenderem essa véia maconheira safada (ela nos chamou de FDP e cachorro, safada é até suave pra ela), até o suposto poeta Araripe Coutinho (alguém conhece algum poema dele?), que faz de tudo pra aparecer e nada tem de acrescentar a cultura sergipana, defende a cantora e malha a PM, enfim todo tipo de gente maluca defende o que ela fez, até Zeca Camargo no portal G1 disse que ela pode tudo, só porque enfrentou a ditadura... Então todos que lutaram contra a ditadura podem tudo? Eu vivi em épocas de ditadura e digo que a ditadura é agora, a ditadura da corrupção, dos programas televisivos apelativos, do assistencialismo, dos intelectuais drogados, das novelas que incentivam a promiscuidade, da hipocrisia e da libertinagem, isso sim é ditadura: impor valores morais goela abaixo só porque não somos filhinhos de papai, drogados ou gays frustrados. A PM de Sergipe deveria é subir no palco, meter algemas e dar voz de prisão nela e em quem se metesse, e dizer ao microfone que em Sergipe tem gente de bem, que não compactua com artistas drogados e nem com um senso comum de mentira que querem nos impor...quem quer ter um filho maconheiro? (Você quer?) As pessoas não aceitam isso, suportam... parabéns ao nosso ilustre patrão governador Déda que acertou em cheio dessa vez ao defender a polícia; foi pouco, mas ajudou muito; ele deve urgente rever seus assessores para futuros shows, até porque depois que já tinha recebido seu fabuloso cachê,Lee mandara o patrão tomar café... Esperemos então Planet Hemp... foi um vexame geral, acredito que nem Mano Brown ou Marcelo D2 faria isso. O nosso povo merece respeito, só não entendo porque ela não foi na viatura detida, já que foi flagrante, e sim em seu carrão tuitando geral e tirando onda.. Afinal, como ela disse, o show foi dela...

PS: Quem acha que existe uma Rua da Cultura, leve seus filhos e pais para verem o que acontece lá e deixe-os passearem a vontade, soltos adquirindo a bonnis fummi cultural.

atenciosamente,um Pm indignado.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

PÉSSIMO EXEMPLO DA RAINHA DO ROCK.


Fonte:  www.cleciobarroso.blogspot.com

CONFIRAM AQUI O BOLETIM DE OCORRÊNCIA PRESTADO PELO CORONEL ENILSON CONTRA A CANTORA RITA LEE.


Clique na imagem para ampliar

SOLDADO DA PM DIZ QUE É “SUBCIDADÃO”.

Controvérsias entre o ideal e o real. “A PM foi criada para garantir a cidadania

Dedico este texto ao todos os que são cidadãos, ao Ilustre Ubirajara, não como réplica ou tréplica, mas somente procurando mostrar-lhe e a sociedade que existe diversas visões de um mesmo fato, algumas mais próximas do real que outros. Fica a critério do leitor procurar o real ou o manipulado.

Em primeiro lugar, gostaria de informar que ao contrário do senhor não tenho todos os direitos e garantias auferidos pela Constituição Federal em relação a qualquer tipo de manifestação de pensamento em relação a PM e ao Governo (TERIA ORGULHO DE EXPOR MEU NOME, MAS PARA NÃO SER MASSACRADO, PEÇO SIGILO DA FONTE). Sendo assim, parabéns ao senhor por poder abertamente expressar seu nome na postagem do dia 29/01/12, intitulada “A PM FOI CRIADA PARA GARANTIR CIDADANIA”.

Em segundo, não precisa verificar os nuances (acredito que não tenho), para tentar identificar qual a minha profissão, sou soldado da policia militar, com 14 anos de profissão, mas como subcidadão, espero gozar pelo menos do direito de poder expor minhas ideias sobre as suas com uma reflexão ainda mais breve.

Em terceiro lugar, também não gostaria que esse espaço se tornasse uma arena de ideias ou controvérsias de concepções. Em quarto, se o senhor é um estudioso da história ou do direito, conforme sugeriu a leitura do livro História da Cidadania dos autores Jaime Pinsky, Carla Bassanezi Pinsky, editora Contexto, com aproximadamente 588 páginas. ACRESCENTO O MANISFESTO COMUNISTA DE KARL MARX, texto de dois séculos atrás, que juntamente com os autores citados pelo senhor, deixam claro que a CIDADANIA SE CONQUISTA COM LUTA, NÃO NECESSÁRIAMENTE ARMADA, pois nem no Governo de Getúlio Vargas trouxe dádivas e sim concessões, além do que, um bom intelectual sabe que a Classe Dominante e o Governo que as representa (não deveriam representar o povo?), desejam somente manter o “STATUS QUO”.

Acredito que o senhor quer interpretar os autores citados de uma forma inédita. Pois convido que mande seu e-mail para os autores e peça a opinião destes, talvez não precise ir tão longe, converse com qualquer professor de história, sociologia, filosofia e direito e pergunta a eles se o papel da policia dentro da sociedade é garantir a cidadania ou será garantir o sistema. Uma breve história da Polícia Militar já no ensino fundamental ao falar da Guarda Nacional, expressa claramente que sua função era garantir o poder local e regional, e mesmo com o advento do Estado Democrático de Direito e da Constituição Cidadã, a PM continua submetida ao AI-5 de 1968, desta forma continua servido ao Estado e não ao cidadão (Itamar Franco, quando Governador de Minas, colocou a PMMG contra o Exército Brasileiro; quantos governadores se acham donos das PMs, até prefeitos acham, acham ou são?), a QUE CIDADÃO INTERESSA UM PM ASSIM? . Em quinto, o senhor citou muito bem a atuação dinâmica entre a Infraestrutura e Superestrutura do Estado, de Antônio Grasmci, mas por que este autor, chama o agente (todos os servidores, militantes, intelectuais, etc.) a se tornarem um Intelectual orgânico, podendo agir de forma democrática e inteligente nas estruturas do Estado, moldando de forma a não causar o caos ou a desordem. Não somente ele, Marx, também percebeu isto, Grasmci é marxista. RESPONDO, já que o Estado só que manter o sistema, os pensadores nos convidam a mudar Infraestrutura e Superestrutura por dentro e não somente atacado por fora (revoluções). Pergunto, será que não isto que a base da PM, esta tentando fazer em beneficio próprio e da sociedade, mas contra o Governo e o Sistema.

Para não ser prolixo, e também já sendo, gostaria de terminar lembrando que nos estudos de Gramsci ele identificou que a principal função das leis, do judiciário, das Forças Armadas e das policiais é a COERÇÃO e não a Cidadania. Quando a doar sangue de folga ou não, ser UM CRIME, E NÃO EXERCÍCIO DA CIDADANIA, demostra que o senhor não é conhecedor do Direito, haja vista, não existir este TIPO penal, em nenhum código. .

Amigo Ubirajara quem dera que a minha classe fosse o expoente da cidadania. É com infelicidade que afirmo: ``A Polícia foi criada para garantir a ordem vigente, não o inverso!

Atenciosamente,

L.S., Soldado subcidadão, que infelizmente não pode ser identificado, pelo menos no texto.

Fonte: Faxaju

ESSA É A POLÍCIA MILITAR QUE DEFENDEMOS, AFIRMA DEPUTADO CAPITÃO SAMUEL BARRETO.

Continua repercutindo as palavras ditas por Rita Lee, durante o show que realizou no Verão Sergipe 2012. Rita Lee mandou os PMs fumarem um “baseado” e se retirarem do show. A situação piorou quando a artista partiu para agressões verbais, chamando-os de“filhos da puta”, “cachorros” e outros palavrões. Ao final do show, a cantora foi detida e encaminhada à delegacia para prestar esclarecimentos.

O deputado estadual capitão Samuel Barreto, também se sentiu ofendido com as declarações de Rita. Para o deputado, “é essa policia que nós queremos em nosso estado. Uma policia que defende a população e a si mesma. Que toma postura firme evitando confusão. Quero aqui inclusive parabenizar o coronel Enilson Aragão, pela postura adotada, evitando um maior tumulto,” disse Samuel Barreto.

Samuel lembra que a situação adotada pela policia militar no caso Rita Lee, pode melhorar ainda mais, segundo o parlamentar, se o governo “atender as nossas reivindicações. Nós esperamos que o governo resolva de vez a situação da policia militar. Eu espero que o governo nos receba para que possamos chegar a um acordo. Você veja bem que aquela policia truculenta está acabando. Por isso estamos reivindicando que para o ingresso na corporação seja exigido o nivel superior. Portanto eu digo que os gestores precisam entender que a policia truculenta está acabando”, defendeu o deputado Samuel Barreto.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

TAPA NA MACACA.

A briga entre a cantora Rita Lee e a Polícia Militar sábado passado, na Atalaia Nova, teve início quando ela viu, do palco, policiais prendendo um rapaz que estaria fumando maconha. Ela pediu pra maneirar com o garotão, porém ficou irritada quando os policiais se perfilaram em frente ao palco. Foi aí que a roqueira pediu que lhe arranjassem um ‘baseado’ para ela dar um tapa na macaca. Nada teria ocorrido se Rita Lee tivesse cantado Bezerra da Silva: “Vou apertar, mas não vou acender agora”. Como não o fez, lhe resta pedir que “desculpe o auê, eu não queria magoar você”.

Fonte: Blog do jornalista Adiberto de Souza

RITA LEE, POLÊMICAS E MUTAÇÃO.

E todos são iguais perante a lei? Ou não?

O anúncio, pela cantora Rita Lee, que estava encerrando a carreira e o show na Barra dos Coqueiros, no festival de Verão, poderia ser o último, foi o tom de que a grande roqueira brasileira está cansada e o peso da idade e com ele os problemas de saúde, estão vencendo a rebeldia e a inquietude que sempre foram marcas registradas da cantora.

E a primeira estrofe da uma de suas maiores músicas “Fruto Proibido”, pode resumir bem o que ela Desejou com incidente do último sábado no festival de Verão tendo repercussão nacional quando a cantora foi detida, após o show, por desacato e apologia as drogas: “Não é nada disso, alguém fez confusão! Vou dar um tempo, preciso distração. Às vezes cansa minha beleza. essa falta de emoção e de sensação”. Ela queria todos os holofotes da mídia nacional para o último show.

É quem assistiu ao show não entendeu os devaneios da cantora quando começou a criticar o trabalho dos policiais. Inicialmente disse que não queria a presença deles (como se ela estivesse acima da lei) e disse que eles eram legais e pediu para os policiais irem fumar um “baseadinho”. Já pensou se fosse um cantor sergipano? Certamente nem acabaria o show e, com certeza, não sairia tão fácil da delegacia, como aconteceu com a cantora.

Ao xingar os policiais de “cavalo”, “cachorro” e “filho da puta”, Rita Lee chegou a lembrar do período da ditadura militar. Aí ela pecou de vez. Os policiais estavam fazendo o seu trabalho. Não estavam lá para censurar ninguém, mas para prevenirem a violência. E proibir o uso de drogas faz parte do trabalho deles. Ou não? Ou no contrato que ela fez para o show do projeto Verão tinha uma clausula: pode-se afrontar a lei, está liberando fumar maconha e o uso de outras drogas. É proibida a presença da PM no local”. E o mais importante: NÃO aconteceu nenhum incidente grave envolvendo policiais e o público durante toda a noite.

Polêmica em Fortaleza – Já em 2011, desta vez num show em Fortaleza ela começou a xingar o plano de saúde que tem e desabafou sobre sua situação financeira: . “Tem gente que pensa que todo artista é rico. Numa época eu até fui, mas fumei, cheirei e bebi tudo. Hoje moro no mato e trampo para pagar as contas. Quando eu morrer vou doar todos os meus órgãos (pode ser para os pitbulls do Bruno). Velório dramático, mas enterro nem morta!“, disse.

Rita Lee completará este ano 67 anos, mas os problemas delas não são apenas da idade. Rita sempre foi polêmica, mas nos últimos anos parece que perdeu o chamado “feeling”. Suas polêmicas são geradas de algo fútil, como se fosse para continuar na mídia de qualquer jeito.

Ela não precisa de mais nada. Será lembrada sempre como a grande roqueira brasileira que começou a aparecer no conjunto “Mutantes”. Hoje, parece que a mutação é uma constante no dia a dia da cantora.

A mutação da cantora deixou de lado o sentimento de rebeldia dando lugar a uma variável que pode ser conceituada como perturbação da lei e da ordem. E todos são iguais perante a lei? Ou não? Defender que Rita Lee fosse tratada de outra forma é submissão, é não respeitar os sergipanos.

E o episódio do show em Sergipe será apenas mais um na mutação constante da cantora Rita Lee. Tem quem encerre a carreira com chave de Ouro.mas a polêmica e sempre irreverente Rita Lee só poderia encerrar a sua com chave de cadeia...

Polícia fez a sua parte

Deixando de lado os sentimentos de quem é fã da cantora Rita Lee, o blog parabeniza os Policiais Militares, que estavam sob o comando do tenente-coronel Adolfo Menezes pelo trabalho realizado no Festival de Verão e pela atitude correta no caso envolvendo a cantora Rita Lee. Se eles fossem omissos, hoje boa parte da imprensa de Sergipe estaria cobrando uma atitude e dizendo que “eles não fizeram nada porque era Rita Lee”.

Dito pelo não dito

E na própria delegacia a cantora chegou a dizer “fica o dito pelo não dito”. Questionada sobre o que a policia fez de agressão ela reconheceu que foi o fato dos “policiais passarem no meio dos fãs delas. Ela não só incitou a multidão contra a polícia, como conclamou os policiais para lhe prender, deu “dedo” e disse que iria fumar um “baseado” no palco. Veja o vídeo: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=QGSpHoGq5lA

Fonte: Blog do jornalista Cláudio Nunes

DECLARAÇÕES DE RITA LEE EM SHOW AINDA REPERCUTEM.

O episódio envolvendo a cantora Rita Lee e policiais militares de Sergipe permanece em foco. O caso foi noticiado em vários sites nacionais e nas grandes redes de televisão. Nas redes sociais, se espalhou de forma instantânea. A cantora esteve na Barra dos Coqueiros, no último sábado, para participar do Projeto Verão, onde realizou o último show de sua carreira.

A Secretaria de Estado da Cultura divulgou uma nota de esclarecimento, onde relata a ação da cantora, que proferiu xingamentos aos policiais responsáveis pela segurança da festa. O governador Marcelo Déda se retirou do local no momento em que se deram as agressões verbais aos PMs. Para ele, a cantora tentou colocar o público contra os policiais, o que poderia levar a uma "confusão generalizada".

“Agiu por emoção”

A Secretaria da Segurança Pública de Sergipe (SSP-SE) também divulgou nota de esclarecimento a respeito das declarações da cantora Rita Lee. De acordo com o delegado Leogenes Correa, da Delegacia Plantonista, em seu depoimento, a cantora disse ter agido por emoção, uma vez que seria o último show de sua carreira.

Ainda segundo o delegado, Rita Lee voltou a falar que a ação dos policiais, para com seus fãs, teria sido truculenta e desnecessária e que toda a ação foi gerada pelo calor das emoções. Após o término do show, a cantora foi conduzida até a delegacia para prestar esclarecimentos sobre as agressões verbais.

A SSP assegura na nota que não houve não houve por parte dos policiais militares nenhuma ação que justificasse as declarações da cantora. A nota defende ainda que a PM agiu com sensatez ao aguardar o término do show para então conduzir a cantora até a Delegacia Plantonista, em Aracaju.

Confira na íntegra a nota enviada pela Secretaria

Sobre o episódio envolvendo a cantora Rita Lee, no último sábado, 28 de janeiro, na praia de Atalaia Nova, município de Barra dos Coqueiros, e o pedido da artista para que os policiais militares se retirassem do local, o Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Cultura (Secult) e da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), esclarece que:

1 - Um evento da dimensão do Verão Sergipe, em que ela se apresentou, gratuito e que atrai dezenas de milhares de pessoas, depende diretamente da Polícia Militar para que a segurança de quem participa da festa seja garantida. O comando da PM cumpriu seu papel com louvor, tanto é que o número de ocorrências nos dois primeiros dias do evento foi considerado muito baixo, e a instituição tem o reconhecimento do Governo pelos bons serviços prestados.

2 - Não foi registrada nenhuma ação dos policiais militares presentes na festa que justificasse os insultos proferidos pela cantora Rita Lee durante sua apresentação. Os profissionais da segurança pública cumpriram com seu papel, inclusive na escolta da artista em seu trajeto do hotel em que estava hospedada até o local do show, atendendo a uma solicitação da produção de Rita Lee.

3 - A Polícia Militar agiu com sensatez ao não interromper a apresentação de Rita Lee no momento em que foi insultada e desafiada pela artista, afinal, outra reação poderia provocar manifestações violentas na plateia, atrapalhando o clima de paz e tranquilidade registrado até então no evento.

4 - O Governo de Sergipe lamenta que em seu último show da carreira, como ela mesma anunciou, a cantora Rita Lee tenha provocado um mal-estar com uma instituição como a Polícia Militar de Sergipe, que ali estava presente para zelar pela segurança do público, dos profissionais envolvidos no evento e da própria Rita Lee.

Fonte: F5 News

CANTORA RITA LEE CHAMA POLICIAIS MILITARES DE "CACHORROS" E "FILHOS DA P...".

Deselegante, mal educada e incompatível com sua representatividade para a Música Popular Brasileira a atitude da cantora Rita Lee em um show em Aracaju (o último de sua carreira), que após ter visto uma ação policial, segundo ela, abusiva, xingou e desqualificou os policiais militares que trabalhavam no evento. Além disso, fez apologia ao consumo de drogas. O comando do policiamento no show teve a benevolência de conduzir a cantora à delegacia só após o término do espetáculo. Vergonhosa postura.

Fonte: Abordagem Policial (Danillo Ferreira)

domingo, 29 de janeiro de 2012

VEJA O VÍDEO EM QUE A CANTORA RITA LEE DESACATA OS POLICIAIS MILITARES QUE TRABALHAVAM NO VERÃO SERGIPE NA ATALAIA NOVA, CHAMANDO-OS DE "FILHOS DA PUTA", "CACHORROS", CHEGANDO AO PONTO DE MANDAR OS MILITARES FUMAREM UM "BASEADO".

E o caso envolvendo a cantora Rita Lee em show de fim de carreira no Verão Sergipe, agora ganhou um vídeo.



Conheça o fato:

O ultimo show da carreira da Rainha do Rock Rita Lee não foi exatamente com ela planejou, ou talvez tenha sido. A cantoraRita Lee foi presa na madrugada deste domingo (29) após realizar o último show da carreira na praia de Atalaia Nova, município de Barra dos Coqueiros, litoral norte de Sergipe. Ela não gostou da presença de policiais militares no evento Verão Sergipe e passou a desafiar e ofender os policiais.

Rita Lee mandou os PMs fumarem um “baseado” e se retirarem do show. A situação piorou quando a artista partiu para agressões verbais, chamando-os de“filhos da puta”, “cachorros” e outros palavrões. Ao final do show, a cantora foi presa e encaminhada à delegacia para prestar esclarecimentos. Ela postou no twitter as seguintes frases: ”Último show e ela vai presa? Nāo poderia ser mais la cantante, afff”.

A cantora foi levada para a Delegacia Plantonista em Aracaju e, após depoimento, acabou liberada. Ela foi enquadrada pelo ato de desacato a autoridade. Em seguida foi para o hotel.

O boletim de ocorrência foi tipificado como “desacato e apologia ao crime ou ao criminoso (art. 287 do Código Penal)”. “A sensatez falou mais alto no momento, por isso a polícia não parou o show”, disse o tenente-coronel Adolfo Menezes, responsável pelo policiamento do show.

A ex-senadora e hoje vereadora de Alagoas Heloisa Helena (PSOL), que assistiu ao show, já estava na delegacia antes mesmo de Rita chegar. Foi solidária à cantora e assinou o B.O. como testemunha a seu favor. No mesmo boletim, Rita disse que “todo o ocorrido se deu como uma reação emocional, provocada pela ação truculenta desnecessária”.

O governador Marcelo Déda (PT), que também assistiu à apresentação, disse ter testemunhado “um espetáculo deprimente” por parte de Rita. “A polícia não tinha feito nenhum tipo de ação que justificasse [a atitude da cantora]“, declarou.

Para o governador, a cantora tentou colocar o público, estimado em 20 mil pessoas pela organização, contra os policiais, o que poderia levar a uma“confusão generalizada”, segundo ele.

No Twitter, Beto Lee, filho de Rita, protestou: “A policia de Aracaju levou minha velha para a delegacia. Bando de frouxo”. A própria cantora tuitava enquanto era escoltada pelos policiais: “Tô indo p/ a delegacia…a polícia d Aju ñ gosta d mim mas Sergipe gosta, estou dentro do carro, eles estaaoentravv [sic]“.

Pelo microblog, o cantor Lobão também se manifestou: “Mas era soh o que faltava…prender a Ritinha eh de última!”.


Fonte: www.portalalarde.com

Nota do blog:  Respeito é bom e os policiais militares sergipanos merecem e gostam, até porque, se a Rita Lee quer ser respeitada, deve respeitar os outros e principalmente os valorosos companheiros da PMSE, que estavam naquele evento para garantir a segurança e a tranquilidade.  Não é porque se trata de uma cantora famosa que a mesma não poderia ser detida.  A lei é para todos, rico ou pobre, preto ou branco.

RITA LEE É DETIDA APÓS SHOW EM ARACAJU.

A cantora Rita Lee, 67, foi liberada após prestar depoimento e assinar um boletim de ocorrência numa delegacia de Aracaju. Ela foi detida por policiais ao fim do último show de sua carreira, no Festival Verão Sergipe 2012.

O imbróglio começou no meio do show, quando a cantora afirmou ter visto membros de seu fã clube, que viaja atrás dela pelo Brasil para vê-la ao vivo, sendo agredidos por policiais.

A cantora Rita Lee, 67, foi detida após um show em Aracaju (SE). Ao avistar policiais na plateia, ela declarou que não os queria em sua apresentação. Vocês são legais, vão lá fumar um baseadinho.
Tendo se aproximado do palco, os policiais foram xingados pela cantora de cavalo, cachorroe filho da puta. Sobe aqui, dizia Rita a eles, desafiando-os. Ela fez o show até o final, quando seria levada para uma delegacia.

Ela se apresentava no Festival Verão Sergipe e declarou que esse seria seu último show.

O governador Marcelo Déda (PT) estava no show e disse ter testemunhado um espetáculo deprimente por parte de Rita. A polícia não tinha feito nenhum tipo de ação que justificasse [a atitude da cantora], declarou Déda. Para o governador, a cantora tentou colocar o público, estimado em 20 mil pessoas pela organização, contra os policiais, o que poderia levar a uma confusão generalizada, segundo ele.

O tenente-coronel Adolfo Menezes, responsável pelo policiamento do evento, afirmou que boletim de ocorrência foi realizado e o delegado responsável deverá lavar o flagrante. O boletim de ocorrência foi tipificado como desacato e apologia ao crime ou ao criminoso (art. 287). A sensatez falou mais alto no momento, por isso a polícia não parou o show, disse.

No Twitter, Beto Lee, filho de Rita, protestou: A policia de Aracaju levou minha velha para a delegacia. Bando de frouxo. A própria cantora tuitava ao lado dos policiais: Tô indo p/ a delegacia...a polícia d Aju ñ gosta d mim mas Sergipe gosta, estou dentro do carro, eles estaaoentravv [sic]

CABO DA PM MORRE EM ACIDENTE DE CARRO.

A Polícia Militar do Estado de Sergipe lamenta o falecimento do cabo Geovani Barbosa de Melo, ocorrido num acidente de carro às 21h do sábado, 28, no conjunto Jardim, em Nossa Senhora do Socorro. O corpo do militar foi velado desde a madrugada deste domingo, 29, na sede do Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) e foi sepultado às 10h30 do domingo no Cemitério São João Batista.

O cabo Geovani tinha 38 anos e estava na Corporação há cerca de 19 anos, tendo trabalhado boa parte desse período no BPChq. De acordo com informações do Choque, o praça morreu após se envolver num acidente com um automóvel. Ao desviar de uma motoneta, o militar bateu o veículo no meio-fio, que capotou, levando o cabo ao óbito instantaneamente.

O cabo Geovani morreu deixando esposa e duas filhas.

O presidente da Amese, sargento Jorge Vieira disse lamentar a morte do amigo. Para Vieria, a policia militar perdeu um grande homem e um grande policial. Ele era um policial que amava defender a população. Geovani sempre quis estar trabalhando nas ruas, lamentou Vieira

Fonte: Faxaju

O GOVERNADOR ESTÁ MAL ASSESSORADO, DIZ PM.

Continua repercutindo a opinião de um aracajuano sobre a segurança no Pré-Caju. Mais um policial militar contesta e diz que o governador está mal assessorado e que ele mesmo (Déda) precisa conversar com a tropa, sem intermediários.

Veja o que diz o e-mail do PM:

“Sou policial militar e fiquei indignado com o texto com cidadão U.M. publicado no site FAXAJU. Entendo que a falta de conhecimento profundo sob o tema crie uma imagem distorcida da situação que ocorreu no pré-caju, alguns militares cansados de esperar o governo tomar uma decisão resolveram não trabalhar em suas folgas. Folgas estas que são usurpadas sem respeitar a vontade do militar, não perguntam se o PM quer trabalhar, não perguntam se o PM quer ficar com sua família, colocam seu nome na escala para trabalhar em um evento privado e obrigam-no a ir. Longe de mim criticar a hierarquia e a disciplina mas antes de sermos militares somos humanos, somos cidadãos como o Sr. U.M, este mesmo cidadão que se revoltou pela “suposta” falta de segurança deve ter seu trabalho com carga horária normatizada em lei, deve ele ter seu horário de trabalho respeitado e seu descanso e convívio com a família protegidos por legislação específica. O que pleiteamos é apenas o mesmo direito, o direito de ser cidadão e de ter respeito por seu trabalho, cães e cavalos que atuam na corporação tem seus horários respeitados e porque nós não. Isso é errado ? Errado a meu ver é ter que sair de casa e passar a noite trabalhando numa festa “privada”, festa essa que angaria milhões para seus idealizadores e ser obrigado a trabalhar sem a opção de escolher ou não fazê-lo. Clamo que a sociedade pare de olhar para seus umbigos, parem de revoltar-se pelo pré-caju inseguro e comecem a compreender que vivemos hoje em nosso estado uma ditadura ao reverso. Os militares que outrora impediam a livre expressão hoje têm que gritar para que o governo, pasmem, o próprio governo “democrático” não os calem e dêem a eles seu direito legal como cidadãos. Votei no Sr governador Marcelo Déda e acredito que o mesmo esteja sendo muito mal assessorado, clamo para que ele sente com a tropa, não se precisa de intermediários, vá em pessoa e busque o diálogo e o entendimento. O engano é achar que militar profissional é como um ser acéfalo, pensamos, somos muito capazes e fortes, não buscamos o embate mas sim a legalidade. Deve-se sim analisar a quem interessa essa falta de carga horária, porquê tanta resistência do governo em fazer o que é apenas “correto”?”

Agradeço a oportunidade

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

ACUSADA DE DESACATO, RITA LEE É LEVADA PARA DELEGACIA.

Cantora foi liberada após prestar depoimento na DP

Cantora se apresentou em festival na Barra (Foto: Arquivo Portal Infonet)

A cantora paulista Rita Lee, de 67 anos, foi levada para prestar depoimento na Delegacia Plantonista, em Aracaju, na madrugada deste domingo, 29 de janeiro. Momentos depois de show anunciado como o último de sua carreira, ela foi detida por acusação de desacato a policiais que faziam a segurança do Verão Sergipe 2012. O festival – e a confusão – ocorreram no município de Barra dos Coqueiros.

De acordo com informações do delegado Leógenes Corrêa, responsável pelo plantão, Lee reclamou que a Polícia Militar (PM) foi truculenta durante a apresentação. Os policiais teriam se dirigido então à frente do palco – foi quando a artista teria usado termos como “cachorro” e “cavalo” para se dirigir aos PMs.

Por conta do mal-estar gerado, o comandante do policiamento da capital, o coronel Enílson Aragão, registrou um boletim de ocorrência no serviço de plantão do próprio Verão Sergipe, coordenado pelo delegado Frederico Muricy. A polícia esperou até Rita terminar o show para abordá-la. Como se recusou a receber o mandato de intimação expedido por Muricy, o caso foi levado até a Delegacia Plantonista e mobilizou não apenas a a acusada, mas também a ex-senadora e vereadora alagoana Heloísa Helena, que assistia ao show e interveio a seu favor.

Os depoimentos foram realizados por volta das 3h. Um termo de ocorrência circunstanciado foi lavrado e Rita Lee, liberada. O procedimento deve ser encaminhado ao Poder Judiciário da Barra dos Coqueiros. Segundo o delegado Corrêa, a filmagem do show será solicitada em caráter de urgência à Secretaria de Estado da Cultura.

Fonte: Infonet (Ricardo Gomes)

sábado, 28 de janeiro de 2012

ATENÇÃO ASSOCIADOS DA AMESE PARA AVISO DA ASSESSORIA JURÍDICA.

O Dr. Márlio Damasceno voltará a atender na próxima terça-feira, às 14 horas, na sede da entidade, face a uma audiência designada em uma delegacia nesta segunda, dia 30, porém os plantões do citado advogado continuarão todas as segundas às 14 horas.

EM POUCO TEMPO DE CRIADO O BLOG DA AMESE JÁ ATINGIU MAIS DE 100.000 ACESSOS.

O blog da AMESE gostaria de agradecer a todas as pessoas que acessaram e acessam este blog, fazendo com que em pouco tempo de criado já tenha chegado há mais de 100.000 acessos. Agradecemos pelas leituras, comentários e acima de tudo pela confiança no trabalho realizado em prol de melhor informar a classe militar e a sociedade em geral.

"SÓ CINCO FACADAS" ... DOIS MORTOS. (ARTIGO PUBLICADO EM 23/01/2012)

Na manhã da última sexta-feira, um coronel da PM fazia um balanço das ações no primeiro dia de pré-caju. Dizia ele: “Foi tudo tranqüilo, apesar de não termos o efetivo completo. Faltou muita gente. Só registramos cinco facadas na festa”. Só? No dia seguinte, dois mortos na área da festa, por facadas.

Punição: voltar para PM

Veja o absurdo. A Superintendência da Polícia Civil enviou e-mail aos delegados para que mandem os policiais militares à disposição nas delegacias e demais unidades para que se apresentassem, fardados, no Quartel Geral da PM para trabalhar no Pré-Caju. A punição do policial militar que não se apresentar é ser devolvido da Civil para a PM. Como assim? São 200 PMs que trabalham sem farda e estão à disposição da Polícia Civil. A Segurança Pública é um verdadeiro caos.

Fonte: Blog do jornalista José Cristian Góes.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

POLICIAIS MILITARES DA BARRA DOS COQUEIROS ATENDEM OCORRÊNCIA DE SEQUESTRO DE TAXISTA EM AMBULÂNCIA DO SAMU E FAZEM POLICIAMENTO OSTENSIVO A PÉ.

video


video

Policiais Militares da Barra dos Coqueiros, mesmo sem viaturas por motivo destas estarem com documentação atrasadas, os abnegados policiais não se furtam em atender uma ocorrência, onde um taxista foi sequestrado por bandidos, fazendo diligências em uma viatura do SAMU, conforme se observa nos vídeos acima, logrando êxito em libertar o taxista e recuperar o carro do mesmo.


Os militares daquele município também estão fazendo o policiamento ostensivo a pé, fato que foi elogiado até por um petista, o Sr. Jorge Givaldo (Delegado da Conferência Munipal), da Barra dos Coqueiros.

Estes fatos e muitos outros que ocorrem, mostram claramente que os policiais militares estão trabalhando e não se furtam a atender a ocorrências, porém, não podem pactuar com ilegalidades, logo eles que têm que zelar pela correta aplicação da Lei, não podendo agora serem responsáveis pela incompetência do Estado.

PARABÉNS COMPANHEIROS.

PMs DESPROVIDOS DE CIDADANIA? NÃO ACREDITO!

Na tarde de hoje, como de hábito, percorrendo os principais sites de notícias do estado, dentre os quais o Faxaju, periódico eletrônico que tem se destacado por uma linha editorial aberta a todos as posições políticas, li a notícia “Precisamos de policiais profissionais”,postado na referida página por um leitor que diz em certa passagem representar “a sociedade como um todo” e que esta estaria indignada com as atitudes dos policiais militares. O e-mail, assinado pelas abreviaturas U.M., parte da opinião de que a sociedade precisa de policiais profissionais e não de profissionais policiais.

Como cidadão aracajuano, maior, esclarecido, não faço parte desse todo indignado contra esses profissionais, aliás acredito que a expressão “a sociedade como um todo” por si já indica um generalização desmedida do mencionado leitor. Mas voltemos ao esboço de texto em questão, ele ajuíza necessidade de policiais profissionais em lugar de profissionais policiais,rejeita as críticas que os militares fazem ao arcaísmo do militarismo,recomenda que as pessoas que tenha formação superior não satisfeitos saiam do serviço público, advoga em favor da disciplina e culpa os policiais pelos homicídios ocorridos no Pré-caju, entre outras opiniões.

Penso que ele além de não representar toda a sociedade, de fazer avaliações superficiais e com certa exacerbação de juízo de valores, coloca uma questão de difícil solução, qual seja: É possível uma policia profissional desprovida de cidadania? Que obedeça preceitos militares para tratar com cidadania os cidadãos? É possível uma policia profissional ser formada por homens e mulheres que não tenho direito a descanso regular nos dias de folga? É possível pessoas serem submetidas a regimes de trabalhos extenuantes não adoecerem? Esses homens e mulheres devem ser responsabilizados pela falta de planejamento e de gestão da segurança pública no estado? Em seu dia de folga, eles não podem doar sangue? Não podem adoecer? Esses policiais profissionais não podem reivindicar seus direitos? E as demais mortes que ocorrem fora do Pré-caju, nos outros períodos do ano,tanto por falta de segurança quanto por falta de atendimento médico em tempo hábil de quem é a culpa caro leitor? Aliás caro leitor, eu não ousaria dizer nem que a culpa compete ao governador e seus assessores diretos, pois parto do princípio da presunção da inocência até prova em contrário. Aliás princípio que parece não esta sendo assegurado, aos policiais e bombeiros militares e nem a respeitada e conceituada classe médica do estado que assiste ao pré-julgamento dos atestados que tem emitido.

Tenho dúvidas se a possibilidade especulada por esse leitor seja possível, pois não vejo como separar a profissionalização da cidadania.

Como cidadão, caro leitor e prezada redação do Faxaju, quero ser atendido por profissionais cidadãos que assim como eu têm deveres,direitos e são pessoas providas de personalidade e espírito crítico e não reles objetos dos resquícios da ditadura civil-militar que ainda persistem em nossa sociedade.

Como o mencionado leitor apenas se identificou pelas iniciais U. M., desejo ser identificado apenas com as iniciais J. V. C.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

PM QUESTIONA: ONDE ESTÃO OS INVESTIMENTOS.

A divulgação feita pelo governo do estado sobre o valor investido na Segurança Publica, está sendo contestado por muitos policiais militares. Segundo ele, “esse investimento anunciado pelo governo não trouxe benefícios para a população”, contesta o militar.

A queda de braço que está sendo travada entre o governo do estado e as Associações Unidas da Policia Militar, parece não ter fim. Sem acordo com o governo, as associações unidas realizaram uma assembléia no ultimo dia 14 e lá, foi decidido que os PMs em folga, não iriam mais trabalhar em festas e eventos no estado. A decisão toma na assembléia foi cumprida à risca pelos militares, já que durante o Pré-Caju a falta foi superior a 500 homens.

Isso acabou irritando não só o comandante geral como o próprio governador que chegou a dizer que “Esse foi um movimento sem pauta. Não havia nada que levasse a essa ação das associações, disse o governador, acrescentando que quando vê algumas pessoas estimulando esse ato dos policiais fica indignado, porque se praticou “um atentado à sociedade”.

Em outra assembléia realizada nesta quinta, os PMs voltaram a deliberar sobre a continuação do movimento Tolerância Zero II.

Durante a assembléia, a redação do FAXAJU, procurou ouvir alguns militares. Uma das principais criticas feitas pelos PMs, é sobre o anuncio de investimento na Segurança Publica. “Como dizer que nossa policia é uma das mais bem equipadas, se a arma usada pelo policial militar é um revolver 38, que foi doado pelo governo do Paraná. Lá os revolveres já estão ultrapassados. La se usa pistola, enquanto aqui nós usamos um 38 velho e com balas vencidas”, reclamou o militar.

Ainda sobre os investimentos, um outro militar indagou: “Nós trabalhamos com balas vencidas, colete vencido, vários veículos sem rádio, a exemplo das viaturas do visibilidade. Enquanto nós temos que defender nossas vidas e a sociedade com um 38, o marginal usa pistola e sub-metralhadora, alem de termos de andar em um veiculo mil, enquanto os bandidos andam em carros potentes. É esse o investimento?”, questionou o PM em tom de desabafo.

Uma outra reclamação feita pelos PMs, é quanto aos prédios onde funcionam os departamentos da corporação. Segundo eles, a mais de dez anos que o governo não constrói nenhum prédio para corporação. “Não vamos longe. Veja a novela do hidroviário. Quanto tempo faz?, e nem vão terminar” afirmou o policial.

Sobre o trabalho extra nas horas de folga, a decisão foi unânime durante a assembléia. “A policia militar é composta por homens e mulheres, que tem famílias e que são seres humanos. Não é possível sacrificar o ser humano, levando ele à exaustão, a ponto do militares ficarem depressivos. Não, isso não é possível e não vamos aceitar. Tolerância Zero II continua mais forte do que nunca”, avisou.

*Os PMs que foram ouvidos, foram devidamente identificados, porem a pedido dos mesmos, os nomes não foram divulgados na reportagem.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

MILITARES DE FOLGA AFIRMAM QUE NÃO TRABALHARÃO EM FESTAS.

Festejos de carnaval poderão sofrer com a ausência da polícia

Os militares definiram as ações do protesto em diversas assembleias (Foto: Arquivo Portal Infonet)

Os militares de Sergipe que estarão de folga durante as festas do carnaval e de Bom Jesus dos Navegantes, que acontece na cidade de Propriá, decidiram que não irão trabalhar, caso sejam convocados. A informação é confirmada pela Associação dos Militares do Estado de Sergipe (Amese), mas o comando da Polícia Militar (PM) afirma que haverá punição para os faltosos.

Edgard Menezes, vice-presidente da Amese, considera que a folga do serviço é um direito dos militares. “O povo não ficará sem segurança, as festas acontecerão com os policiais que estão em serviço. Quem estiver trabalhando em Propriá vai trabalhar na festa de Propriá e assim acontecerá com as festas das demais cidades”, explica o sargento.

O comando da PM, por sua vez, informa que já foi instaurado um conselho de disciplina e um conselho de justificação para avaliar a conduta dos militares em relação ao serviço nos dias de folga quando convocados. Segundo a assessoria da polícia todos os casos serão avaliados de maneira individual e se forem confirmadas as irregularidades de conduta os militares faltosos serão punidos de acordo com o código militar.

O movimento dos militares reclama das condições de trabalho e da obrigatoriedade do serviço durante o período de folga. O embate entre os militares e o comando da PM e da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Sergipe (SSP/SE) já foram retratados em matérias do Portal Infonet.

Fonte: Infonet (Caio Guimarães e Kátia Susanna)

VEJA UMA ENTREVISTA LEVADA AO AR PELA TV SERGIPE COM CIENTISTA POLÍTICO, ACERCA DO MOVIMENTO DOS MILITARES.

Clique no link abaixo e assista:

MILITARES LOTAM CLUBE DOS OFICIAIS EM ASSEMBLÉIA DA CATEGORIA.



Fotos:  Chris Brota

Na tarde desta quinta-feira, 26, centenas de servidores militares lotaram as dependências do Clube dos Oficias localizado na Rua Tenente Aragão, no bairro Augusto Franco.

Líderes e representantes de associações militares conduziram a assembleia de forma séria e decidida. O deputado estadual Capitão Samuel (PSL), coordenador do Movimento Tolerância Zero II, inflamou o discurso com palavras de incentivo aos servidores que irão continuar o movimento até que recebam um retorno positivo por parte do Governo do Estado. “A nossa maior preocupação é com a segurança de qualidade, e também que a sociedade não se prejudique, pois ela é quem paga o nosso salário, precisamos continuar firmes na palavra, respeitando a sociedade e exigindo os nossos direitos”, disse Samuel Barreto.

Os militares decidiram em assembleia que o movimento deflagrado no último dia 14 de janeiro, continua e que todos irão cumprir como o que foi acordado na assembleia que culminou no Movimento Tolerância Zero II.

Os policiais militares reafirmaram o compromisso de não trabalharem em suas horas de folga enquanto o governo não definir a situação da carga horária e demais reivindicações dos militares.

A próxima assembleia está marcada para o dia 14 de fevereiro (sábado), às 15 horas no Clube dos Oficiais, na Rua Tenente Aragão, 50, Augusto Franco. Hoje militares receberam adesivos convocando a categoria para a próxima assembleia. Por conta da grande quantidade de militares os adesivos para veículos esgotaram, mas a partir de segunda-feira (30), estarão disponíveis na AMESE, ASPRASE e ASSOMISE.

Maiores informações entrar em contato com os sargentos Vieira e Edgard na AMESE, ao lado do QCG, centro da cidade.

Fonte: Assessoria Parlamentar do Deputado Capitão Samuel ( Chris Brota)

JORNALISTA DO PORTAL INFONET CORRIGE MATÉRIA QUE ESTAVA COM ERRO NA DECLARAÇÃO QUE FOI PRESTADA PELO SGT. VIEIRA: MILITARES MANTÊM MOVIMENTO TOLERÂNCIA ZERO II.

Os militares voltam a se reunir em assembleia dia 14

Dia 14 acontecerá uma nova assembleia da categoria (Foto: Portal Infonet)

Representantes das Associações Unidas da Policia Militar se reuniram no início da tarde desta quinta-feira, dia 26, no Clube dos Oficiais. Na reunião foi avaliado o resultado do movimento Tolerância Zero II, deflagrado no último dia 14 e que foi cumprido à risca pelos militares.

De acordo com os associados, os militares reafirmaram o compromisso de não trabalharem em suas horas de folga enquanto o governo não definir a situação da carga horária e demais reivindicações dos militares.

O presidente das Associações Unidas (Assomise), major Adriano Reis, garante que os policiais estão apenas lutando por seus direitos. “O movimento vai continuar mais firme e forte. Não tenha dúvida que isso vai acontecer e estamos defendendo a nossa classe e os nossos direitos”, garante.

Para o sargento Jorge Vieira, presidente da Associação dos Militares do Estado de Sergipe (Amese), a assembleia desta quinta foi avaliada como sendo positiva. “Reafirmamos o compromisso de trabalhar pela comunidade. Assim como foi decidido em assembleia, o movimento será mantido de forma pacífica e ordeira, mas os militares não vão dirigir viaturas irregulares. É importante se frisar que não pedimos aumento salarial, mas que as nossas reivindicações sejam atendidas e respeitadas”, diz o sargento. Os militares voltam a se reunir em assembleia no dia 14 de fevereiro.

* A matéria foi alterada às 6h56 do dia 27/01

Fonte: Infonet (Aisla Vasconcelos)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

ATÉ O "CUMPADI" SABE QUE A SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE NÃO É LEVADA A SÉRIO PELO GOVERNO.

"ESTÃO DESESPERADOS PARA DEMITIR A GENTE", DIZ LÍDER DOS PMs.

Militares decidem pela permanência do movimento Tolerância Zero


Após deflagrarem o Movimento Tolerância Zero II, no último dia 14, policiais militares e bombeiros decidiram continuar o movimento que teve seu primeiro ato em 2009. Os militares continuarão com praticamente toda a frota da Polícia Militar paralisada. Segundo eles, as viaturas permanecem com seus licenciamentos vencidos. Os PMs também não trabalharão nas horas de folga nos eventos Projeto Verão e Carnaval. E só mudam a postura quando o governo definir a situação da carga horária e demais reivindicações.

Grande número de militares compareceram à assembleia na tarde desta quinta-feira (26), no Clube dos Oficiais, no bairro Farolândia, para avaliar o Pré-Caju. O movimento foi coordenado pelas Associações Unidas e pelo deputado estadual capitão Samuel (PSL). Estiveram presentes a Associação dos Militares de Sergipe (Amese), a Assocação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares (ASPRA) e a Associação dos Oficiais da PM e Bombeiros (Assomise).

“Pela quantidade dos militares defendendo o movimento vai continuar sim. É um movimento eterno, não dá pàra fechar os olhos e dizer que existe segurança da forma precária que está. O próximo passo da categoria é reafirmar o compromisso de não trabalhar na sua folga, não comprar mais uniformes, não dirigir mais viaturas disregularizadas, somente depois de ter condições dignas. Vai perdurar até o governo criar vergonha e resolver os problemas”, analisou o presidente das Assomise, major Adriano Reis.

Sobre os atestados médicos dos militares que não trabalharam no Pré-Caju, os quais não foram aceitos pelo Comando da Polícia Militar, o major Adriano Reis afirma que esta foi mais uma arbitrariedade do estado. “Como é que você leva o atestado e não é reconhecido? Todo mundo tem direito, não é o estado que vai dizer quem estava doente ou não. A gente não tolera esse tipo de arbitrariedade”. Sob a alegação de que o número de atestados foi exorbitante, Adriano questiona. “Eles alegam que o número de atestado foi muito grande. Tem como você prever a pessoa ficar doente? Isso é uma questão de cada um. Agora se eles acham que houve um derrame de atestado então que apurem, nós queremos honestidade. Não apurar é um absurdo e nós não admitimos”, critica.

Segundo o major, 22 inquéritos militares foram instaurados para demitir a ele e aos presidentes das associações. “Foram 22 inquéritos contra nós presidentes de associações e não contente com isso, o estado de forma absurda instaurou conselhos para julgar a nossa condulta. A intenção é de nos demitir, simplesmente porque nós cansamos de dizer a sociedade que está tudo bem. Agora como foram desmascarados eles estão desesperados para demitir a gente. Possivelmente daqui a 30 dias eu serei um ex major da PM, mas com certeza eu terei justiça”.

Pedindo que outros oficiais adiram ao movimento, no próximo dia 14 de fevereiro a expectativa é que tenham aproximadamente a participação de três mil policiais militares.





Fonte:  F5 News (Fernanda Araújo)

ATESTADOS MÉDICOS DOS MILITARES SERÃO INVESTIGADOS.

410 atestados apresentados serão avaliados individualmente

Os 410 atestados apresentados por policiais militares durante o Pré-Caju serão avaliados por uma junta do Hospital da Polícia Militar (HPM), é o que afirma o comando da polícia. Os atestados foram apresentados por oficiais que estavam de serviço e por militares que apesar de estarem em folga, foram convocados a trabalhar na prévia carnavalesca. O número de atestados entregues é muito superior ao que foi informado pelo HPM, que seria de 140 atestados. O caso também é acompanhado pela Promotoria de Controle Externo da Atividade Policial do Ministério Público do Estado (MPE) e pela Procuradoria Geral do Estado (PGE).

De acordo com a assessoria da PM todos os 410 atestados serão avaliados de forma individual por uma junta médica do HPM a fim de se averiguar possíveis irregularidades nos documentos, já que o usual é que em média 15 atestados sejam apresentados por dia. As informações do comando da polícia são de que essa investigação também é acompanhada pela corregedoria da PM.

A Promotoria de Controle Externo da Atividade Policial do MPE, na pessoa da promotora Euza Missano, enviou ofício ao diretor do HPM solicitando os protocolos dos atestados, para que o órgão também possa acompanhar o caso. Existe a possibilidade de que o órgão mova ação pública, caso sejam constatadas as irregularidades.

O vice-presidente da Associação dos Militares do Estado de Sergipe (Amese), o sargento Edgard Menezes, diz que os militares já esperavam essa reação por parte do comando da polícia. “Essa é uma forma de nos amedrontar. Eles vão ter que provar que os atestados são falsos”, desafia o militar. Ele completa que desconhece o fato dos atestados serem irregulares e diz nega que os oficiais agiram em acordo ao apresentarem os atestados.

PGE

A equipe da Infonet entrou em contato com o procurador Márcio Leite de Resende que garantiu que o papel da PGE é o de orientar o Comando sob o ponto de vista da legalidade estrita, na hipótese de se verificar alguma irregularidade durante o procedimento de apuração das faltas.

O procurador também fala sobre a possibilidade de ilegalidade nos atestados. “O número de atestados apresentados parece ser elevado diante da média recebida pelo Comando. Todavia, não é possível, sem um procedimento investigatório adequado, se falar em irregularidades. Dependendo da circunstância apurada, deverá o Comando da Polícia Militar, no exercício de sua esfera de competência, instaurar os devidos inquéritos administrativos militares, sem prejuízo da esfera criminal a cargo do Ministério Público”, afirma.

Fonte: Infonet (Caio Guimarães e Kátia Susanna)

ATESTADO DE INCOMPETÊNCIA.

Analisem o que está acontecendo!  Os policiais não recebem fardamento à 4 anos por parte do governo, já que a Lei Estadual nº 5.699, preconisa que os mesmos deverão receber 3 uniformes por ano no mínimo e agora estão tentando incriminar os policiais pelo descumprimento da legislação por parte do governo.

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SERGIPE
ESTADO MAIOR GERAL
COMANDO DO POLICIAMENTO MILITAR DA CAPITAL

MODELO DO TERMO DE DECLARAÇÕES QUE PRESTA O MILITAR QUE SE APRESENTAR NA UNIDADE EM TRAJES CIVIS PARA REALIZAR O SERVIÇO?

AOS DEZENOVE DIAS DO MÊS DE JANEIRO DO ANO DE DOIS MIL E DOZE (19.01.2012), NA SALA DA COMPANHIA DE COMANDO E SERVIÇO DA PMSE, PRESENTE O SUBTENENTE …..........................., COMPARECEU …..............................................................................., DESTA SUBUNIDADE, EM TRAJES CIVIS, A FIM DE REALIZAR O SERVIÇO DE POLICIAMENTO OSTENSIVO PRENVENTIVO, TENDO LHE SIDO PERGUNTADO O SEGUINTE:
1. Qual foi o último serviço executado pelo PM?
2. Se no serviço anterior estava fardado?
3. O que ocorreu com o seu uniforme (incêndiado, extraviado ou furtado)?
4. Se prestou noticia crime referente ao episódio (incêndio, extravio ou furto) com o uniforme ou se comunicou ao seu comandante de unidade/subunidade o fato?
5. Qual a data que recebeu da PMSE o último uniforme?
6. Se está ciente que o serviço da PMSE é essencialmente fardado?
7. Se está ciente que receberá falta ao serviço por não estar uniformizado para realizá-lo?

MAIS COMPANHEIROS DE ASSOCIAM À AMESE, FORTALECENDO A LUTA EM PROL DA CLASSE MILITAR. SÓ TEMOS A AGRADECER PELA CONFIANÇA DEPOSITADA NA ENTIDADE.




DÉDA ADOTARÁ MEDIDAS PARA NÃO DEIXAR IMPUNE QUEM PÔS EM RISCO A POPULAÇÃO.

O governador Marcelo Déda (PT) declarou, na quarta-feira (25) que vai adotar as medidas que forem necessárias, para não deixar que passe impune a ação das associações militares que lideraram um movimento para que policiais militares e bombeiros, escalados para trabalhar no Pré-Caju, não comparecessem, pondo em risco a população que foi às ruas participar da prévia.

- Esse foi um movimento sem pauta. Não havia nada que levasse a essa ação das associações, disse o governador, acrescentando que quando vê algumas pessoas estimulando esse ato dos policiais fica indignado, porque se praticou “um atentado à sociedade”.

Para Marcelo Déda, protestar contra o Governo, pautar movimentos reivindicatórios em busca de benefícios salariais ou de condições de trabalho é entendimento e se abre o diálogo para isso, mas “tornar a população refém dos bandidos em um evento que reúne milhares de pessoas, é demais”.

Déda diz que a população foi ao Pré-Caju arriscando a vida, enquanto o patrimônio das pessoas ficou sem a devida segurança: “vamos analisar tudo, ter calma e tranqüilidade, mas agir com determinação”, disse.

Sucessão – Sobre o processo sucessório que se inicia para escolha do candidato do Partido dos Trabalhadores à Prefeitura de Aracaju, Marcelo Déda disse que o “diálogo está aberto e acontece com tranqüilidade”.

Diz que um fato já foi definido para escolha do candidato: “não haverá prévia”. Para ele “isso reduz a carga de pressão”. O processo será por convocação de Encontro, em que cada um pode expor planos e projetos da candidatura e ser escolhido por delegados do partido.

Segundo Marcelo Déda, os três pré-candidatos do partido – deputado Rogério Carvalho, deputada Ana Lúcia e vice-prefeito Silvio Santos – estão mantendo suas posições: “se for assim, vou como filiado defender o nome que considero em melhor condição e explicar porque”. Déda, entretanto, acredita que o PT sairá unido e lembra que sempre houve consenso nos últimos dez anos sobre a disputa pela Prefeitura de Aracaju.

É natural – Marcelo Déda acha normal que outros partidos integrantes da aliança formada para dar apoio à sua candidatura em 2010, quando disputou a reeleição, apresentem pré-candidato à Prefeitura de Aracaju.

Ele acredita, entretanto, que isso vai se resolver: “quem inventou a política foi para resolver impasses. Política tem como principal elemento o diálogo e vamos encarar em paz qualquer quadro”, disse Déda.

O governador acredita na racionalidade de todos que estão envolvidos no processo de diálogo para escolha de candidatos à Prefeitura de Aracaju: “todos nós temos que analisar se o melhor caminho é lançar uma candidatura única”.

- Temos uma candidatura na oposição dura, disse Déda, lembrando que o ex-governador João Alves Filho (DEM), provável candidato a prefeito da Capital, é uma liderança forte e que se tem de respeitar a sua receptividade junto ao eleitorado: “não será fácil, tenho experiência desse enfrentamento”.

Em tom de conselho – ou advertência – o governador disse que não “se pode entrar ao mar pensando que vai encontrar uma sardinha e de repente aparece um tubarão”. Para ele, em casos como esses, o melhor caminho é o censo de sobrevivência”.

Estresse – Marcelo Déda lembra que perto do estresse que teve no Pré-Caju de 2010, “esse desafio não é nada”. Diz que há dois anos “tivemos uma formação de aliança mais complexa, mas o diálogo, mas conseguimos, através do diálogo, chegar a um entendimento que deu certo”.

Acha que não se pode confundir posição com imposição, porque “a imposição pode atrapalhar tudo”. Déda não está pessimista em relação ao palanque das eleições deste ano, mesmo sabendo que o jogo não será fácil.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

DOIS HOMENS SÃO MORTOS EM FRENTE À CASA DE DEPUTADO.

Capitão Samuel afirma que foram vários tiros disparados

No início da noite de hoje (25), por volta das 19h30, o deputado estadual capitão Samuel Barreto estava em sua residência, na rua José Steremberg, bairro Atalaia, quando ouviu uma série de gritos e vários tiros sendo disparados.

Capitão Samuel afirmou para o F5 News que estava em casa, acompanhado de sua esposa, quando a troca de tiros começou. Segundo Samuel, dois indivíduos foram mortos na porta de sua residência. "Foi tiro pra tudo quanto é lado! Nunca ouvi uma troca de tiros tão grande em minha vida", disse.

O deputado, acreditando que poderia ser um atentado contra sua vida, pegou sua pistola e chamou a polícia, que chegou rápido ao local, se deparando com duas pessoas baleadas com vários tiros. O deputado observou parte do embate entre vários homens, pela câmera de segurança de sua residência. Samuel ficou posicionado para atirar em quem entrasse na sua casa. Seu muro está crivado de balas deflagradas.

"Eu não sabia o que fazer, estava esperando que alguém entrasse em minha casa, para poder revidar. Estava temendo pela minha vida e a de minha esposa, que está grávida e pronto para atirar, se alguém invadisse.. Os irmãos da PM chegaram rápido e encontraram os dois homens baleados", declarou o deputado estadual.

Segundo informações, um veículo de cor prata foi alvejado com cinco tiros em um dos lados, mais precisamente na janela do condutor. O veículo perdeu o controle e bateu entre o muro e a cruz da igreja Bom Jesus dos Navegantes, próximo à casa do parlamentar. O atentado contra o veículo pode ter ligação com a troca de tiros ocorrida na frente da residência do deputado.

Fonte: F5 News (Márcio Rocha)

HOMEM É EXECUTADO EM FRENTE CASA DEPUTADO.

A execução de um homem, ocorrido por volta das 18:30 horas desta quarta-feira (25), fez com que a policia fosse acionada às pressas, já que o assassimnato aconteceu bem próximo a residência do deputado estadual capitão Samuel Barreto.

O fato aconteceu na residência vizinha a casa do parlamentar, localizada na rua José Esteremberguer, no bairro Atalaia. Com a seqüência de tiros, pelo menos doze disparos, o deputado acionou de imediato o Ciosp e em poucos minutos uma viatura da policia militar compareceu ao local.

Os policiais ao chegarem ao local, depararam com o corpo de um homem atingido por pelo menos dez tiros, que supostamente teriam sido disparados por dois elementos que fugiram em uma moto.

Em contado com a redação do FAXAJU, o deputado Samuel Barreto disse que foi surpreendido com os disparos e que de imediato ordenou que toda a casa fosse fechada para evitar uma possível invasão, já que ele não sabia do que se tratava. Passado o susto, o capitão acionou o Ciosp e fez diversos telefonemas tranquilizando os amigos que tambem foram comunicados por ele sobre os disparos.

A policia está no local e faz os primeiros levantamentos para descobrir o motivo da execução.

Fonte: Faxaju (Munir Darrage)

ESCLARECENDO O AUMENTO SALARIAL QUE A PM CONSEGUIU - DE JOSÉ CARLOS.

O ano é 2008. Às vésperas do anúncio do reajuste salarial, nós (PMs) ansiávamos o cumprimento de uma promessa de campanha do então candidato Marcelo Déda: Um aumento salarial digno da profissão que abraçamos. Nos corredores dos quartéis a conversa sempre girava em torno desse assunto, alimentando expectativas e anseios.

O dia aguardado chega. Era uma sexta feira, nono dia do quinto mês do ano de 2008. Todos atentos, aflitos, mas esperançosos. Enfim chega a hora aguardada. Em meio ao anúncio vê-se a atmosfera pesada que toma conta do outrora céu de brigadeiro, que esmaga inclemente os sonhos, desejos e expectativas.

Cinco por cento de aumento linear e dez por cento para a PM. O sonho acabou, expectativas foram frustradas. O governo alegou que faltavam recursos para um aumento maior, que fez o que pôde para nos dar o máximo que podia. Nesse período, ninguém pode acusar a PM de ter sido egoísta, de ter “chutado o pau da barraca”, muito pelo contrário fomos compreensivos; frustrados é verdade, mas compreensivos, pois acreditamos no que o governo nos dissera.

O tempo passa, e eis que descobrimos o que não foi falado para todos: a polícia civil do estado de Sergipe ganhou um aumento “estratosférico”, que chegou a triplicar ou quadruplicar os seus ganhos -nada contra o aumento deles, pois ganham o que todos os policiais deveriam ganhar-. Descobrimos que uma das categorias que mais torceu e acreditava nele (Marcelo Déda) foi traída e enganada em sua boa fé. A revolta tomou conta da tropa. Como pôde ele fazer isso com a gente? Como pode tratar as polícias de forma diferente? Uma (PC) com algo que sempre sonhou, a outra (PM) é para continuar sonhando.

Gente, não há compreensão que sobreviva a isso. Ninguém gosta de ser tratado como um estúpido palhaço. O nosso aumento se deu pela imensa revolta da tropa, do gritante fosso criado entre as duas corporações e ele (o aumento) não foi dado com facilidade e bom gosto, pois tivemos que nos mobilizarmos arduamente. Fomos perseguidos, ultrajados. O governo não nos elogiou pela conduta compreensiva quando do anúncio dos dez por cento, mas quis jogar a sociedade contra o nosso movimento depois que descobrimos o aumento dado à polícia civil. Alguém já ouviu Déda falar do salário de um PC? Mas garanto que todos já ouviram ele falar do salário de um PM.

Para quem duvida do que falo acessem: http://www.agencia.se.gov.br/noticias/leitura/materia:7024

Fonte: Blog do jornalista Cláudio Nunes